Home / Destaques / Visitação a Abrolhos é suspensa por três dias

Visitação a Abrolhos é suspensa por três dias

A visitação ao Parque de Abrolhos, no litoral sul da Bahia, foi suspensa neste domingo, 3, por volta de 12h, um dia após a chegada do óleo que vem atingindo as praias do Nordeste. A determinação prevê que o local fique fechado para turistas e visitantes por três dias.

De acordo com comunicado do chefe do Parque, Fernando Repinaldo Filho, a suspensão deve possibilitar as atividades de prevenção, controle e remoção do óleo, além de minimizar riscos à saúde pública.

Segundo explicado na nota, a decisão pode ser prorrogada ou extinta a depender das avaliações da evolução das manchas de óleo na região. As manchas chegaram ao Parque de Abrolhos no sábado.

Ministro

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, fez um sobrevoo pela região do arquipélago de Abrolhos, na manhã deste domingo. Na ocasião, também acompanhou as operações de monitoramento e limpeza de áreas atingidas pelas manchas de óleo que foram identificadas no local.

Em entrevista coletiva, o ministro foi questionado se havia uma noção da origem do óleo e se o problema estaria em vias de chegar ao fim. “A gente não tem, com os meios que nós temos, a origem do vazamento. Ainda temos algumas dúvidas, pelo tipo do óleo, é um óleo difícil. Porque ele vem ali à meia água, não vem na superfície, o radar não pega, satélites não pegam. Só temos a visualização dele quando chega à praia. Então, é difícil, a gente não tem uma bola de cristal em relação a isso”, disse.

O ministro afirmou ainda que não houve, neste domingo, registro de novos fragmentos do óleo no arquipélago de Abrolhos. “O que tem lá, e está sendo limpo, é remanescente de ontem [sábado]”.

Fernando Azevedo explicou que o trabalho da Marinha do Brasil tem sido conduzido em três fases. “Estamos debruçados em várias fases ao mesmo tempo. Uma é a fase da investigação, do inquérito para chegar a quem fez isso. A segunda fase é a contenção, sendo a terceira a de controle de danos nas praias. Estamos fazendo isso ao mesmo tempo”, detalhou.

Na região do arquipélago, seis navios realizam o trabalho de monitoramento. São quatro da Marinha e dois da Petrobras.

Salvador

Durante todo o final de semana, as manchas de óleo voltaram a atingir as praias da capital baiana. Salvador não registrava a chegada de novas manchas desde o último dia 18, mas no sábado, o óleo reapareceu em Stella Maris.

Ontem, Ipitanga, Paciência, Praia do Flamengo, Corsário e Pituaçu foram as mais afetadas. Pequenos fragmentos também atingiram as praias de Amaralina, Ondina e Pituba.

No Rio Vermelho, equipes da Empresa de Limpeza Urbana (Limpurb) e voluntários se esforçavam desde cedo em um mutirão.

De acordo com a Limpurb, apenas ontem foram recolhidas quase 5,3 toneladas de petróleo. A operação realizada de sexta-feira até ontem totalizou a remoção de 14,6 toneladas de óleo.

A visitação ao Parque de Abrolhos, no litoral sul da Bahia, foi suspensa neste domingo, 3, por volta de 12h, um dia após a chegada do óleo que vem atingindo as praias do Nordeste. A determinação prevê que o local fique fechado para turistas e visitantes por três dias.

De acordo com comunicado do chefe do Parque, Fernando Repinaldo Filho, a suspensão deve possibilitar as atividades de prevenção, controle e remoção do óleo, além de minimizar riscos à saúde pública.

Segundo explicado na nota, a decisão pode ser prorrogada ou extinta a depender das avaliações da evolução das manchas de óleo na região. As manchas chegaram ao Parque de Abrolhos no sábado.

Ministro

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, fez um sobrevoo pela região do arquipélago de Abrolhos, na manhã deste domingo. Na ocasião, também acompanhou as operações de monitoramento e limpeza de áreas atingidas pelas manchas de óleo que foram identificadas no local.

Em entrevista coletiva, o ministro foi questionado se havia uma noção da origem do óleo e se o problema estaria em vias de chegar ao fim. “A gente não tem, com os meios que nós temos, a origem do vazamento. Ainda temos algumas dúvidas, pelo tipo do óleo, é um óleo difícil. Porque ele vem ali à meia água, não vem na superfície, o radar não pega, satélites não pegam. Só temos a visualização dele quando chega à praia. Então, é difícil, a gente não tem uma bola de cristal em relação a isso”, disse.

O ministro afirmou ainda que não houve, neste domingo, registro de novos fragmentos do óleo no arquipélago de Abrolhos. “O que tem lá, e está sendo limpo, é remanescente de ontem [sábado]”.

Fernando Azevedo explicou que o trabalho da Marinha do Brasil tem sido conduzido em três fases. “Estamos debruçados em várias fases ao mesmo tempo. Uma é a fase da investigação, do inquérito para chegar a quem fez isso. A segunda fase é a contenção, sendo a terceira a de controle de danos nas praias. Estamos fazendo isso ao mesmo tempo”, detalhou.

Na região do arquipélago, seis navios realizam o trabalho de monitoramento. São quatro da Marinha e dois da Petrobras.

Salvador

Durante todo o final de semana, as manchas de óleo voltaram a atingir as praias da capital baiana. Salvador não registrava a chegada de novas manchas desde o último dia 18, mas no sábado, o óleo reapareceu em Stella Maris.

Ontem, Ipitanga, Paciência, Praia do Flamengo, Corsário e Pituaçu foram as mais afetadas. Pequenos fragmentos também atingiram as praias de Amaralina, Ondina e Pituba.

No Rio Vermelho, equipes da Empresa de Limpeza Urbana (Limpurb) e voluntários se esforçavam desde cedo em um mutirão.

De acordo com a Limpurb, apenas ontem foram recolhidas quase 5,3 toneladas de petróleo. A operação realizada de sexta-feira até ontem totalizou a remoção de 14,6 toneladas de óleo.

Veja também

Novembro Negro em Lauro de Freitas promove Encontro dos Povos de Matriz Africana no dia 14

Município com mais de 80% da sua população de origem afrodescendente, Lauro de Freitas abre …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *