Home / Brasil / Governo prepara MP para bancar parceria e produção de 100 milhões doses da vacina de Oxford no Brasil

Governo prepara MP para bancar parceria e produção de 100 milhões doses da vacina de Oxford no Brasil

Ministério da Saúde anunciou nesta segunda-feira (3) que estuda uma medida provisória (MP) para viabilizar as 100 milhões doses da vacina de Oxford contra a Covid-19 no Brasil. A proposta prevê um crédito orçamentário extraordinário de R$ 1,9 bilhão.

Crédito extraordinário é uma modalidade de crédito feita para que o governo possa atender despesas urgentes e imprevisíveis – como em caso de guerra ou durante um estado de calamidade pública. Ele só pode ser pedido e autorizado com a aprovação de uma medida provisória. As MPs são editadas pelo governo e têm força de lei assim que publicadas, mas precisam do aval do Congresso em até 120 dias.

A AstraZeneca é a segunda maior farmacêutica do Reino Unido e atua junto com a Universidade de Oxford na pesquisa da vacina batizada de ChAdOx1, em teste no Brasil.

Produção em dezembro

Segundo do Ministério da Saúde, o acordo prevê o início da produção da vacina no Brasil a partir de dezembro deste ano.

“E garante total domínio tecnológico para que Bio-Manguinhos tenha condições de produzir a vacina de forma independente”, diz o governo. A vacina produzida por Bio-Manguinhos será distribuída pelo Programa Nacional de Imunização (PNI), que atende o Sistema Único de Saúde (SUS).

Segura e eficaz

Dados preliminares da fase clínica da vacina mostram que ela é segura e que induziu a produção de anticorpos para o coronavírus. Alguns dos voluntários relataram, no entanto, inchaço ao redor da injeção, febre e dores musculares, que são esperadas para vacinas deste tipo.

A vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford é feita a partir de uma versão enfraquecida do adenovírus que causa resfriado em chimpanzés. Ele é alterado geneticamente para carregar os traços da proteína S do coronavírus, responsável por acoplar o invasor nas células humanas.

A ChAdOx1 está na sua terceira e última fase de testes em humanos. É somente na fase 3, com um número maior de participantes, que a eficácia da vacina é comprovada. Um grupo de milhares de voluntários é avaliado antes de se considerar a comercialização em larga escala.

No Brasil, ao menos cinco mil voluntários participam dos ensaios clínicos da vacina. Eles estão distribuídos em três centros de pesquisa: São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador. Neste momento, a imunização é aplicada em trabalhadores da saúde e pessoas com alta exposição ao vírus.

Pesquisadores ligados à farmacêutica AstraZeneca, que desenvolve a imunização em parceria com Oxford, explicaram que a estratégia mais provável para a aplicação desta vacina é baseada em duas doses. Outras formas como uma dose única ou doses menos fortes são testadas também.

Ainda é incerto que a vacina de Oxford pode produzir imunidade à longo prazo. Estudos recentes indicaram que o número de anticorpos gerados por uma infecção pelo novo coronavírus cai de dois a três meses depois de o paciente se recuperar.

Veja também

Mais de 100 estabelecimentos comerciais já foram fiscalizados em Lauro de Freitas após reabertura

Equipes de fiscalização da Prefeitura de Lauro de Freitas visitaram esta semana 112 estabelecimentos comerciais, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *